quarta-feira, 10 de maio de 2017

Cachoeira dos Padres e Cachoeira Santa Barbara em Marmelópolis - MG

Abril(2017)
Bom, em continuidade, vou tratar do terceiro e quarto dia de viagem em Marmelópolis, onde fiquei acampado no camping e pousada do Maeda e me locomovendo a pé até as atrações.

*Na primeira tem o texto dizendo como cheguei, mas aqui falarei o quarto dia em que voltei pra SP.
Vale conferir a primeira postagem, onde fui pro Pico do Marinzinho:


Cachoeira dos Padres - Marmelópolis

Dia 3: Caminhada até algumas cachoeiras na cidade do Marmelo: Cachoeira dos Padres, Cachoeira Santa Bárbara, Cachoeira São Mateus e São Lucas.

Mais um dia em que acordei cedo, não tinha nem porque acordar tarde, já que fui descansar bem rápido na noite anterior. As 05h30 coloquei o celular pra carregar, escovei os dentes e voltei pra barraca. O tempo tava neblinado, não dá pra negar que tava frio e então por isso voltei pra barraca. Logo quando apareceu os raios de luz, li algumas coisas que tinha pra ler, conferi os mapas e já me ajeitei pra curtir mais um dia da natureza de Marmelópolis.

Ciente de que seria algo bem mais tranquilo do que a subida que fizera no dia anterior, ainda rendia algumas dores na perna, mas que após o exercitá-las se foi. O canto dos pássaros era contante e anunciavam dia bom! Às 07h30 o seu Maeda chamou pro café, e foi momento de mais um bate papo bacana, mais histórias e mais dicas. Então, ele apresentou o seu museu do montanhismo, que é descrito dessa forma em um folder que ele me entregou.

"Museu Histórico do Montanhismo - Recorda de andação do Sr. Maeda (montanhista a mais de 50 anos), pelas montanhas do Brasil, Peru, Argentina, Chile e Japão. Com mais de 400 fotos, equipamentos utilizados nas inúmeras excursões nacionais e internacionais..."

Tem também as reportagens as quais eu já havia assistido pelo youtube em casa. Enfim, uma visita bacana e é inspirador ver o entusiamo em cada palavra proferida pelo Maeda. E então, eu parti pra caminhada rumo a Cachoeira dos Padres.

Cachoeira dos Padres

Essa cachoeira fica a 6km da pousada, conta com 3 quedas que variam de 10 a 70 metros e fica dentro do Sítio Cachoeirão. Tem uma placa cobrando o acesso (R$ 3,00), porém não cobraram nada de mim.

O dia estava semi nublado, as vezes o sol aparecia, mas tinha hora que o tempo chuvoso ameaçava. Logo quando saí da pousada avistei um Serelepe roendo o tronco de uma árvore, fiquei parado do lado árvore e continuou a roer. A partir desse trecho não se tinha muita subida nem descida, deu pra considerar uma caminhada quase plana a todo momento. Isso também levando em consideração que havia subido quase 4 horas no dia anterior até o Marinzinho, qualquer outra caminhada ali seria mais light.

Nas bifurcações estava tudo sinalizado, e assim como eu tava com um mapinha, só ia confirmando o caminho correto, sem erro. Esse clima mais rural de Marmelópolis era um show mesmo, ora chegava um riacho passando a beira da estrada, misturado com o cenário de morros, fazia a caminhada ficar bem em paz.

Serelepe logo de manhã

Riacho no caminho cachoeira dos Padres

Quando deu uma hora e dez minutos de caminhada, cheguei no portão do sitio. Um garoto me atendeu, quando fui pagar a taxa ele disse que podia entrar. Explicou o caminho e pra lá eu fui. Era uma trilha básica e sinalizada, a primeira queda veio logo de cara e era a menor delas, ali eu não parei neste primeiro momento e continuei a trilha. Menos de 10 minutos veio a segunda queda, mais alta e forte, já arrancando suspiros de euforia. Ali quase ia fazer uma parada, porém a curiosidade batia mais forte e fui direto pra terceira... "Ô Loko" exclamei comigo mesmo. "Sé loko, quê isso" rs. Eu realmente havia desacreditado da potencia desse rolê. Fui na intenção de fazer algo pra refrescar e complementar a viagem, mas fui surpreendido positivamente. O lugar é lindo demais, a terceira queda é perfeita pra se passar horas ali, ou até mesmo o dia todo meditando e se encontrando em meio a natureza. Tendo diversos lugares para contemplação e piscinas naturais para se banhar em suas águas límpidas.

Por ali fiquei um bom tempo e enquanto eu tirava fotos, lembrei do temporizador de 10 segundos da máquina. Então comecei a treinar o uso para ir além de selfies rs. Na volta passei novamente pela segunda queda, mas estacionei na primeira. Ali li um livro e tomei um suco, aproveitei por mais uma hora.

A estrutura do Sítio conta com restaurante e banheiros, uma sacada que fizeram e eu me identifiquei bastante foi colocar versos de músicas em placas. Dialogando bastante com a natureza. Coisa que numa viagem sempre faço é além de escutar os álbuns que já conheço, procuro também estudar outros novos pra mim. Nesse dia o restaurante tava fechado, então voltei sentido camping pelo mesmo caminho e bem satisfeito com o local. Recomendo!

Cachoeira Santa Bárbara

Abasteci de água no camping, comi alguns pinhão que a senhora Maeda havia cozinhado e parti rumo a cachoeira Santa Barbara. Essa eu não tinha mapa, mas ganhei um do Maeda além de seguir suas orientações, seja por fala, nas arvores ou placas. Essa Cachoeira fica dentro de um sítio a 2km do camping. O caminho que fiz foi por uma trilha em meio ao pasto de uma propriedade cercada. É possível chegar de carro também, mas é uma distancia maior.

Comecei numa subida bem íngreme, depois tive que passar por debaixo de uma cerca e continuei subindo pelo pasto. Como não tem trilha demarcada, depois de uns 30 minutos fiquei um pouco perdido, Após mais uns 15 minutos eu avistei a cachoeira já ficando pra trás, foi aí que segui pela direção correta.

Ao chegar na porteira, chamei o Cauã e ele apareceu. Contou que tava trabalhando aos poucos na trilha e tava cobrando uma taxa de R$2,00. Falou que tava trabalhando com mel e comprei um também.
Cheguei na queda e lá tomei um banho. O volume de água tava baixo, mas dava pra contemplar numa boa. São 100 metros de queda, água que desce escorrendo paredão abaixo bem numa boa.

Ainda na intenção de visitar outras cachoeiras e como já era fim de tarde, minha pausa ali foi breve e já segui rumo o camping novamente.

Cachoeira São Mateus e Cachoeira São Lucas

O acesso a essa cachoeira fica na mesma estrada que leva pro Pico do Marinzinho. Tava nos planos visitá-las na volta do pico, mas como eu tava cansado, preferi voltar pro camping naquele dia. São várias quedas pra chegar na principal que é a Água Branca. Que por ficar já tarde não fui. Mas essa duas quedas já me contentou e por ali tomei um banho de cachoeira derradeiro do dia.

Dia 4: Carona até Itajubá e a volta pra São Paulo

Já era quarta-feira, dia de voltar ao trabalho. Na segunda-feira o seu Maeda ofereceu uma carona até Itajubá. Ele tinha algumas compras pra fazer lá e ele ia na terça, mas como eu tava voltando na quarta resolveu mudar pra dar mais essa força, já que os horários dos ônibus em Marmelópolis são irregulares. Saímos após o café da manhã, acertamos as contas e com isso fui me despedindo do camping. Uma estadia que não se tem em qualquer lugar, e que renova o espírito de aventura do ser viajante. Realmente surpreendente.

Embarquei no ônibus das 10:00h sentido São Paulo, viação Santa Cruz novamente, mas tem a Pássaro Marrom também. Momento de ouvir música e ler um livro, prosseguindo uma viagem bem tranquila até sampa..

Péde Natureza! Até a próxima.

Fotos:


Águas da Mantiqueira

queda 1 - Cachoeira dos Padres

queda 2 - Cachoeira Padres

queda 3 - Cachoeira Padres

10 segundos pra foto

após essa visão fui pro caminho correto

avistando o pasto que subi desde o camping

do pasto vendo a estrada pra seguir

Cachoeira Santa Barbara - Marmelópolis

inicio da trilhas pras cachoeiras

Cachoeira São Matheus

quedas ao longo da trilha

Cachoeira São Lucas

10 segundos pro banho

borboleta 

um falcão?
Da Pousada Maeda até a Cachoeira dos Padres

4 comentários:

  1. Bemuito bacana essa cachu meus parabéns fiz algumas trilhas através de suas dicas mais não encontrei ninguém para ir junto então fica aí o convite se você quiser um companheiro de trilhas só entrar em contato comigo no wattsap se não quiser pelo menos vamos trocar informações pode ser 950737081 falar com Fábio obrigado pela sua atenção

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa, olá Fábio. tranquilo? Vamos trocar informações sim até pra marcar uma trilha. valeu!!!

      Excluir
  2. Cara, sou simplesmente seu fã. Você me inspirou a começar minhas trilhas, há 4 anos. Venho te acompanhando, e sempre que pesquiso um relato no Google pra ajudar o role, você aparece!
    Se um dia eu tiver a honra de trilhar com você, será sensacional.
    Um forte abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luciano. Primeiramente, agradecer seu comentário e apoio. É sempre bom que em meio às correrias podemos curtir um pouco de sossego junto com uma dose de aventura. Um verdadeiro estilo de vida.
      Poderíamos pensar num grupo de contatos para trilhar, trocar informações e inspirações, seria interessante.
      Obrigado. Aração!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...