domingo, 8 de maio de 2016

Parque E. Juquery - Trilha Ovo do Pato - SP

E num belo dia você se debruça nos meus olhos (nos meus caminhos)
Incitando e convidando a me reerguer
Vem pela janela da parede (para acompanhar os meus caminhos)
fluindo em asas de luzes solares com milhões de embaixadores luminosos pela manhã (e pela tarde)
 
O eco de minhas palavras, a passada sob um dia loko, e o sol, o sol, o sol. 
Nada do que minha interpretação de Echoes pra dizer um pouco do meu dia no Parque Estadual Juquery - Trilha Ovo da Pata.
 
"O Parque Estadual do Juquery localiza-se ao norte da Região Metropolitana de São Paulo, nos municípios de Franco da Rocha e Caieiras. O acesso ao local pode ser feito pela rodovia Pref. Luiz Salomão Chamma. Além de diversas trilhas com diferentes níveis de dificuldade o parque possui, ainda, um patrimônio histórico-cultural de grande interesse."
 
Desci na estação Franco da Rocha da CPTM e fui até o supermercado Russi e embarquei no ônibus Mairiporã, tem outras opções tbem no mesmo ponto.
 
"Trilha Ovo da Pata: É a trilha mais extensa e o ponto mais alto no parque, com 942 metros de altitude. Proporciona ao visitante uma linda vista panorâmica das cidades vizinhas, do vale do Rio Juquery, da Serra da Cantareira e do Parque Estadual do Jaraguá." 
 
"Informações e agendamentos: O parque é aberto de terça a domingo, das 08h00 às 17h00. É necessário agendamento somente para a trilha dos Pitus. (obs: na chuva o parque não abre)"
 
 
 

 
 Fotos:
 



















sexta-feira, 22 de abril de 2016

Pedra do Sapo no bairro Manoel Ferreira - SP

Andar por novos lugares, conhecer caminhos, conhecer os passos, de passo em passo querer mais, e parar só de cansaço. De fato queria mais, fazer que nem o Rei Abubakari II que largou seu trono pra "ver qual que é desse Atlântico", e assim saiu de Mali, na África. Chegou nas Américas dois séculos antes que Cristóvão Colombo, sua saga contou com o silêncio dos griots (maiores historiadores da história oral) devido sua audácia de abdicar o trono.

Quando falo assim parece que fui pra longe, mas não. O rolê foi em Biritiba Mirim, no bairro Manoel Ferreira. A Pedra do Sapo lugar novo pra mim, mas já bastante conhecido por trilheiros (as) e aventureiros (as).

"Para quem quer se soltar, invento o cais/ Invento mais que a solidão me dá/ Invento lua nova a clarear/ Invento amor e sei a dor de me lançar// Eu queria ser feliz, invento o mar/ invento em mim o sonhador// Para quem quer me seguir, eu quero mais/ Tenho um caminho do que sempre quis/ E um saveiro pronto pra partir/ Invento o cais/ E sei a vez de me lançar." (Cais - Milton Nascimento)



Na caminhada não precisei inventar nada, pois era tudo real. Só não tinha cais nem saveiro como diz na letra música. Tinha estrada, trilha, pico.

Desembarquei na estação Estudantes da cptm e de lá fui pro terminal estudante pra embarcar no ônibus 392-Manoel Ferreira  (R$3,80). O ônibus não veio no horário certo, acabou atrasando bastante o planos. No caminho percebi o porque dos atrasos...estava um trânsito danado na mogi-bertioga, o pessoal tava descendo pra praia, pois era início do feriado prolongado! O fato é que o trajeto demorou mais de 3 horas, o que num dia normal duraria 45 minutos.

Cheguei bem tarde no bairro manoel ferreira (15h45), pensei em desistir, mas já que tava alí decidi prosseguir pra fazer um bate-volta vapt vupt.

Comecei a caminhada na estrada com um muro beirando à esquerda e mais a frente os dutos à direita. A primeira bifurcação veio depois de uns 20 minutos de caminhada "é só virar à direita passando por baixo do duto. Em seguida terá uma ponte e uma represinha, agora com os dutos à esquerda (Foto1)"

Continuei seguindo pela principal até sair numa bifurcação que tomei à esquerda (foto 2), a partir dali o próximo ponto de referência foi o Rancho da Dona Maria e antes já se consegue ver a pedra de longe. No bar parei pra tomar uma tubaína e ter um bate-papo rápido, pois já era 16h30 e ela disse que tinha pelo menos mais uma hora até o pico. Continuei a estrada e já em seguida veio três opções de caminho daí eu segui o da direita descendo, sem erro. A próxima bifurcação tem que tomar á esquerda conforme foto 6, nesse momento o caminho já se começa a fechar e mais alguns metros já se vê novamente a pedra, agora um pouco mais de perto.

A partir de agora não tem mais erro, ainda tem uns 40 minutos de trilha que é demarcada, a subida pro pico se inicia após o último ponto de água que seguindo tem uma curva pra direita e na esquerda já aparece o início da trilha (Foto 8).

Foi nesse ponto que começou a parte mais difícil pra mim, pois com o curto tempo tive que subir rápido, mas não aguentava rs. Então como não tinha jeito fui na cautela, já cheguei no pico escurecendo não pude nem descansar um pouco, pois pra descer sozinho na mata escura sem lanterna é osso. Essa parte do rolê não pude curtir e ainda tinha um monte de gente lá em cima. em um outro ponto antes de chegar na pedra consegui tirar foto do sol se pondo e continuei subindo. Tem parte da trilha que é bem íngreme e têm cordas pra ajudar na subida. Em época de chuva ali deve ser cruel.

Ofegante, bebi bastante água, comi um lanche e já desci na mata escura, mas deu tudo certo. Lembrar de levar uma lanterna mesmo se o plano não é ficar até a noite pois pode ter imprevistos.

Voltarei lá com certeza, lugar belo, uma vista pesada 360º e um exercício e tanto.
Até a próxima

Referências: Relato que segui--> http://coconomato.com.br/pedra-do-sapo/
http://pt.wikiloc.com/wikiloc/view.do?id=2896091
Fotos:



















Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...