sexta-feira, 22 de abril de 2016

Pedra do Sapo no bairro Manoel Ferreira - SP

Andar por novos lugares, conhecer caminhos, conhecer os passos, de passo em passo querer mais, e parar só de cansaço. De fato queria mais, fazer que nem o Rei Abubakari II que largou seu trono pra "ver qual que é desse Atlântico", e assim saiu de Mali, na África. Chegou nas Américas dois séculos antes que Cristóvão Colombo, sua saga contou com o silêncio dos griots (maiores historiadores da história oral) devido sua audácia de abdicar o trono.

Quando falo assim parece que fui pra longe, mas não. O rolê foi em Biritiba Mirim, no bairro Manoel Ferreira. A Pedra do Sapo lugar novo pra mim, mas já bastante conhecido por trilheiros (as) e aventureiros (as).

"Para quem quer se soltar, invento o cais/ Invento mais que a solidão me dá/ Invento lua nova a clarear/ Invento amor e sei a dor de me lançar// Eu queria ser feliz, invento o mar/ invento em mim o sonhador// Para quem quer me seguir, eu quero mais/ Tenho um caminho do que sempre quis/ E um saveiro pronto pra partir/ Invento o cais/ E sei a vez de me lançar." (Cais - Milton Nascimento)

Na caminhada não precisei inventar nada, pois era tudo real. Só não tinha cais nem saveiro como diz na letra música. Tinha estrada, trilha, pico.

Desembarquei na estação Estudantes da cptm e de lá fui pro terminal estudante pra embarcar no ônibus 392-Manoel Ferreira  (R$3,80). O ônibus não veio no horário certo, acabou atrasando bastante o planos. No caminho percebi o porque dos atrasos...estava um trânsito danado na mogi-bertioga, o pessoal tava descendo pra praia, pois era início do feriado prolongado! O fato é que o trajeto demorou mais de 3 horas, o que num dia normal duraria 45 minutos.

Cheguei bem tarde no bairro manoel ferreira (15h45), pensei em desistir, mas já que tava alí decidi prosseguir pra fazer um bate-volta vapt vupt.

Comecei a caminhada na estrada com um muro beirando à esquerda e mais a frente os dutos à direita. A primeira bifurcação veio depois de uns 20 minutos de caminhada "é só virar à direita passando por baixo do duto. Em seguida terá uma ponte e uma represinha, agora com os dutos à esquerda (Foto1)"

Continuei seguindo pela principal até sair numa bifurcação que tomei à esquerda (foto 2), a partir dali o próximo ponto de referência foi o Rancho da Dona Maria e antes já se consegue ver a pedra de longe. No bar parei pra tomar uma tubaína e ter um bate-papo rápido, pois já era 16h30 e ela disse que tinha pelo menos mais uma hora até o pico. Continuei a estrada e já em seguida veio três opções de caminho daí eu segui o da direita descendo, sem erro. A próxima bifurcação tem que tomar á esquerda conforme foto 6, nesse momento o caminho já se começa a fechar e mais alguns metros já se vê novamente a pedra, agora um pouco mais de perto.

A partir de agora não tem mais erro, ainda tem uns 40 minutos de trilha que é demarcada, a subida pro pico se inicia após o último ponto de água que seguindo tem uma curva pra direita e na esquerda já aparece o início da trilha (Foto 8).

Foi nesse ponto que começou a parte mais difícil pra mim, pois com o curto tempo tive que subir rápido, mas não aguentava rs. Então como não tinha jeito fui na cautela, já cheguei no pico escurecendo não pude nem descansar um pouco, pois pra descer sozinho na mata escura sem lanterna é osso. Essa parte do rolê não pude curtir e ainda tinha um monte de gente lá em cima. em um outro ponto antes de chegar na pedra consegui tirar foto do sol se pondo e continuei subindo. Tem parte da trilha que é bem íngreme e têm cordas pra ajudar na subida. Em época de chuva ali deve ser cruel.

Ofegante, bebi bastante água, comi um lanche e já desci na mata escura, mas deu tudo certo. Lembrar de levar uma lanterna mesmo se o plano não é ficar até a noite pois pode ter imprevistos.

Voltarei lá com certeza, lugar belo, uma vista pesada 360º e um exercício e tanto.
Até a próxima

Referências: Relato que segui--> http://coconomato.com.br/pedra-do-sapo/
http://pt.wikiloc.com/wikiloc/view.do?id=2896091
Fotos:



















segunda-feira, 18 de abril de 2016

Pedra do Elefante no bairro Vila Bonita - SP

A Pedra do Elefante fica no município de Ribeirão Pires. Nesse rolê fui de trem até a estação de ribeirão pires e dentro do terminal embarquei no ônibus Vila Bonita (R$ 3,50).
Fazia tempo que não partia pra uma caminhada, cheguei fazer algumas aleatórias, mas que não as relatei devido a falta de tempo e por já ter relatos aqui. O fato que tô fora de forma, mas aos poucos vou retomando o ritmo. Devido a tudo isso, escolhi esse pico por ser mais tranquilo e mesmo assim um lugar bacana. O trajeto até a pedra não tem muito segredo, na real tem apenas uma bifurcação que deve seguir à direita (foto1).
O caminho se inicia numa estrada de terra na Rua Malvina Tavares. A referência pra desembarcar do ônibus é o centro hípico amarelinho, na Av Miro Attilio Peduzzi.
O tempo que demorei pra subir foi em torno de 35 minutos. A subida é fácil, mas bem íngreme por isso parei algumas vezes pra recompor o fôlego. Quem tiver em forma faz em menos tempo. Pra descer fiz em 20 minutos, já estava escurecendo e desci na boa.
Bom, as fotos podem continuar a relatar um pouco do que foi essa tarde de sábado (16/04/2016) que trouxe a reflexão que Mano Brow escreveu em uma de suas composições.
"...as vezes acho que todo preto como eu
só quer um terreno no mato só seu
sem luxo, descalço, nadar no riacho
sem fome, comendo as frutas do cacho..."

Até a próxima... pretendo retomar as caminhadas e também mexer no modelo do blog.
Abraço!

Fotos:
















Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...